sexta-feira, 4 de julho de 2014

Delírios de uma lagarta

Rastejava 
         Arrastando o ventre

Folhas verdes

Ora quentes banhadas de sol,
Ora frias castigadas pelo sereno.
         
         Arrastava sobre folhas que a suportavam
                                                                             Peso e avidez.
                                                                          Nunca das flores
                                                                          Sabor de futuro.

Madura sentia que era hora.
Pendurou-se num galho firme. 
Que resistisse um casulo seguro.
Teceu em torno de si um refúgio de se tornar.        
                     
                                ...fechada toda dentro da casca.

No conforto do dentro choveu
Esfriou 
           Ventou e balançou.
                          Estalou.
E o medo...
Do galho não agüentar
De nunca conseguir sair
De chover e o casulo arrebentar.
De a Terra um dia acabar.
Se o inferno de fato existir. 
                                             E se a Natureza for só invenção?
 
A lagarta apavorou-se...
Sozinha no seu escuro...
Sem saber o que fazer

                                    Quis pra sempre ser lagarta.
                                    Comeu suas asas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário