segunda-feira, 5 de março de 2012

Do verbo ter

                                                     (foto by Katia Mota)
Tens de mim todas as horas.
Tens todas as formas.
Tão longas estradas
Tão profundos oceanos.

Tens de mim todos os insultos;
A boca insana.
Feminino e cio.
Tens  os absurdos e
surtos, rompantes e desatinos.

E tens de mim todos os gritos
Calados no umbigo.
Tens de mim toda paciencia.
Toda rebeldia.
Tens também todas saudades.
(Aguadas) Vontades.
Em tão dormente corpo.

Lícito.
Vacio.
Tendo tanto
no entanto.
Não pedes nada.

2 comentários: