terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Loucura

Hoje quero me desgrudar da sombra.
Que nada me siga;
Arrancar da alma a sina maldita,
de amar sem medida.
                 A loucura desdenha de mim.
 Ah alma maldita!
Que pacto fez com o absurdo?

Cala-te!
            Não me chame!
                                    O que?
                Não te ouço.
Tenho medo!
Eu tenho medo.
Me tira daqui que não sei voltar.

Do verde não sei o que é o azul.
Me botou cativa.
Estocolmo.

                  Vai devagarzinho.
                                         Que tenho que aprender a andar sozinha...

Não ria enquanto escoro pelas paredes.

Recolhe os cacos do chão.


Descansa seu peso na rede.

                       E espere que eu durma.

                                                            
                                                            Não faz barulho.

               Me embala em sussurros.

Vela meu sono.

Que dia eu acordo gente grande.

3 comentários:

  1. Muito interessante Kátia! Gostei! Bjs

    ResponderExcluir
  2. Interessantíssimo!!! Tb Gostei! bjus

    ResponderExcluir
  3. Rs... tentei escrever sem a preocupação de dar sequenciia a uma idéia, não ter idéia essa era a proposta...rs

    bjãoo

    ResponderExcluir