sábado, 31 de julho de 2010

Libélula

Texto publicado também no Escritos Linguagem no Corpo da minha querida Sueli Aduan, como exercício na oficina on-line.



Estive vendo sua foto hoje. Tão leve. Reparando em cada traço do seu rosto, contido. Elegante por natureza exibindo em si os traços longilíneos em contraste com uma certa rudeza pré-histórica. Silenciosamente o sorriso furtivo, monalísico estampou meu rosto ao imaginá-lo com asas, longas e transparentes em prisma sob o sol.
Asas assim te vejo, com asas. Livre de espírito, preso ao próprio destino. Voando baixo, libélulescamente rasando sobre mim, permanecendo por tão pouco tempo e num voo rápido me deixando espelhos d´agua. Renascido, tão perpétuo quanto o inseto. Atraído por espelhos d’agua satisfeito se vai tão veloz. Me deixando espelhos d’agua.

3 comentários:

  1. Interessante...
    O que mais gostei foi dos neologismos.
    Bjs...
    Aparece lá no meu blog de vez em quando:
    www.elainedecastro.com.br.

    ResponderExcluir
  2. "Estive vendo sua foto hoje.."

    enxergar além do que se vê, bom isso!
    Bela construção.

    bjus

    ResponderExcluir
  3. Olá

    Gostei ;)

    E me intriguei ...rsss

    beijo.

    ResponderExcluir