quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Fome

                                                     (Desejo - Oleo sobre tela de Renato Zorzenon)


Existe uma Fome.
Um leve desconforto.
Crescente,
Uma ânsia,
Provoca náuseas se não saciada.
Botar para fora o que não se tem,
ansiando por algo para botar para dentro.
Fome.
Às vezes ela bate as 3 horas da manhã.
Facilmente confundida com o desejo por sexo.
Aliás,
Facilmente confundida com desejo.
Não é desejo.
Não
É um desejo.
É fome.
Assim que corrói...
Estou faminta.
Não.
Sou faminta.
E vivo para saciar a fome.

2 comentários:

  1. Belo poema! Forte! Adorei!!!
    (Imagem lindíssima também)

    ResponderExcluir
  2. Olá .

    Well começo o ano com mais nó no encephalo ...Rssss

    Gostei muito .

    Bom 2010 :)

    beijos

    ResponderExcluir