terça-feira, 2 de junho de 2009

Coração: Pesquisa de mercado.


Pode parecer estranho, até mesmo bizarro, mas pode ter certeza que não uma finalidade esdruxula. O assunto é realmente o coração, o sentimento envolvido, não no músculo, mas o que move todos os músculos.

Converso muito com uma amiga, aliás, a única pessoa com quem converso sobre o assunto, e vejo como há diferenças no que as pessoas pensam a respeito de amor. Isso porque temos os mesmos envolvimentos com literatura e poesia e mesmo assim sentimos as coisas, ou enxergamos as situações de forma diferente.

Aí ela comentou uma situação que ela vê de uma forma lírica, e eu enxergo de outra forma, enxergo indiferença na poesia que ela vê e vice e versa. O Prisma. Os reflexos e nuances, e a confusão. Os conflitos.

Pensei, e pensei durante um tempo, reavaliei assim friamente como que olhando todo o quadro por um outro foco, uma outra ótica, limpei a poesia, limpei todos os fru-frus e pom-pons, coraçõezinhos e fins. O que sobrou sobre do amor? Assim o que sobrou mesmo, casa, vida, trabalho, dinheiro, filhos, velhice, aposentadoria, divergencias, brigas, noites frias, manhãs quentes e... poesia, lirismo, pom-pons, coraçõezinhos, talvez com um pouco mais de sabedoria nos olhos mas lá está toda a mágica do Músculo-Mor pintando com variações de matizes, mas lá.

Assim eu enxergo o que tem que ser o Amor.

Por isso pensei nesse post. Uma pesquisa mesmo, sem fins lucrativos a não ser o de conhecimento, uma terapia, uma ajuda aos corações revoltos, que insistem em bater forte, que renova os fluídos que movimentam o corpo, os caminhos em artérias, e tempestades de emoções. Trocar experiencias, duvidas e aspirações.

Grandes pessoas, grandes mentes, se perderam pelo coração. Ou morreram do coração ou por causa de um coração, ou com um coração.

É isso quero dividir e compartilhar. Por favor, pode comentar em Anonimo, não me importo, aceito em não publicar o comentário se assim o quiser... quero somente chegar a conclusões, consensos, ou sei lá.

E como é o amor para você? Não é infinito posto que é chama?
É chama?
Ou chama?

3 comentários:

  1. As mãos.
    Não vejo há anos. Muitos mesmo. Algumas vezes vejo umas fotos, nelas as mãos, não sei por que mas tenho que ver as mãos. Pelo desenho das unhas noto que hj roi as unhas. Quase vejo a cena.
    As mãos. É o mais real que consigo.

    ResponderExcluir
  2. Eu não consigo me sentir querida pelo objeto de meu afeto. Qdo fala comigo sim, mas logo em seguida seus atos provam o contrário. Ai eu penso ele me despresa. Dói muito, não sei por que espero. No fundo acho que tem algo reservado. Não sei.

    ResponderExcluir
  3. Difíl essa questão do amor, talvez porque, como disse uma grande filósofo, "seja a nossa tarefa maior perto da qual todas as outras perdem ou tem menor importância",
    "eu penso que o amor é uma busca assim como todas as outras,um chamado pra longe como disse Andreas Salomé que viveu uma paixão estonteante com Raine Maria Rilke e ela diz mais( olhe que lindo): do livro "O sentido da Paixões"
    "o amor não é um entregar-se confundir-se e toda essa sorte de concessões, mas um momento pra crescermos ,para sermos nós mesmos por causa da existência de um outro ser..um chamado para longe.
    beijos

    ResponderExcluir