domingo, 15 de março de 2009

Frida Kahlo


Um dia desses ouvi uma pessoa dizendo que não gostava de Frida Kahlo, respeito isso, mas quis saber o porque.

Nada existe sem um por que... tudo tem que ter por que, o por que impera, decide, define... é impressindível.. Algo que não existe por que, simplesmente não existe... Delete.

A explicação foi... O fato de ela pintar quadros extremamente intimistas. Quase beirando ao ostracismo. De usar de suas tragédias pessoais para atingir a fama e o reconhecimento. Penso o contrário... ela usou de suas tragédias para escapar ao mundo.

Eu já tinha visto o filme sobre ela, essa semana vi um documentário também sobre ela e minha adimiração só aumentou.
Minha visão sobre o trabalho de Frida está intrinsecamente ligado ao que Frida viveu, ela não pintava para o mundo pintava para sí própria. Não é dificil de imaginar por que suas obras se tratavam quase que exclusivamente sobre ela mesma, visto que fisicamente ela não tinha possibilidades de ver o mundo e quando o fez foi atras de Diego Rivera que também lhe fechava as portas do mundo. Suas cores gritantes, suas extravagancias, suas obras tão chocantes nada mais eram que uma forma de pedir socorro e de alguma forma agredir o mundo que lhe agredia.

É impossível ver suas obras como realmente são se não souber por que fase a autora estava passando, por que dor, por que falta, por que solidão.

Acredito que todos temos um pouco de Frida.

2 comentários:

  1. Kátia:

    penso que temos mutio de Frida, de Drumond, de Lispector, de Marquez , de.... não digo a genialidade, é claro, mas essa tentativa de na dor, criar.
    bjs

    em tempo:seu texto é muito bom.

    ResponderExcluir
  2. Paradóxos, a dor e amor são sempre inspirações

    ResponderExcluir