domingo, 11 de janeiro de 2009

Pontes

Tem certas coisas que a simples imagem me fascina. Me é inevitável ver uma ponte sem parar, olhar, analisar cada angulo, cada incidência de luz, algumas vezes seu reflexo na água. Inevitável na estrada, de dentro do carro buscar por imagens de pontes e tentar captura-las em fotos. Passo por pontes e paro sobre elas, tento retardar o tempo, porém, num determinado momento vou ter que passar, terei que estar do outro lado ou optar por voltar.

As pontes representam para mim os dois lados, as escolhas. E como me são difíceis as escolhas. E a vida toda é feita de escolhas, desde de uma simples cor ao primeiro minuto do resto de nossas vidas.


Se erro ou acerto não sei, só eu sei das dores e amores que elas me trazem.

Pela enésima vez assisti As Pontes de Madison County, pela enésima vez me acabo em lágrimas. Algumas frases que antes não tinha dado tanta importancia hoje me fazem pensar. Esse filme fala das escolhas.


Sinopse

Após a morte de Francesca Johnson (Meryl Streep), uma proprietária rural do interior do Iowa, seus filhos descobrem, através de cartas que a mãe deixou, do forte envolvimento que ela teve com um fotógrafo (Clint Eastwood) da National Geographic, quando a família se ausentou de casa por quatro dias. Estas revelações fazem os filhos questionarem seus próprios casamentos.

2 comentários:

  1. Oh, Kátia, maravilha: seu "mini texto" poético, forte... é delicioso e ele sim, emociona,como as pontes , as imagens dela. parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Nossa Kátia! Esse filme me deixa sem palavras todas e todas as vezes que assisto. Perfeita sua referência às pontes.

    Bjs
    Berenice

    ResponderExcluir