quarta-feira, 11 de junho de 2008

Saudades do que não conheço.

Saudade.
Palavra que só existe na língua Portuguesa.
Interessante.
Será que essa invenção é realmente proveitosa?
Será que o fato desta palavra existir não faz com quê eu invente também um sentimento para acompanhá-la. Sentimento tal que se não houvesse a palavra automaticamente não existiria?

Dizer que sente falta não é a mesma coisa, ou exprime o mesmo sentimento do que dizer que se tem Saudade.
A falta é morno, paciente, enquanto a saudade dilacera a alma, uma ferida aberta sangrando á cântaros. São algemas que me põe prisioneira de algo totalmente imaginário.

Tenho saudades. Tenho saudades de pessoas que eu não conheço. Tenho saudades de coisas que não me pertencem.
Não quero poemar e tentar dar sentido ao que nem ao menos existe.

Assim como a palavra tudo é invenção.

Um comentário:

  1. oi Katia querida!
    acho que vc foi a unica pessoa q percebeu... os nossos olhos andam tao acostumados, nao é? principalmente dos jovens... rss

    q incrível isso de saudades do que nao vivemos... eu sinto muita saudade de um eu que nao viveu nos anos de 1970, que participou daquela conturbada época e fez alguma coisa de historico... nao sei porque mas me sinto tao em casa vendo/lendo Queridos Amigos, por exemplo...
    por que será?
    sinto também saudades daquele encontro que ainda nao tivemos... nao podemos deixar isso na saudades, né?
    beijos
    G.

    ResponderExcluir