sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

O nome Katia

Antigamente eu não tinha uma boa relação com o meu nome.
Não gostava dele.
Não sentia como parte de mim.
Não me pertencia.
Normalmente as pessoas me chamam por Ká, Katita, meu marido me chama de Flor, meus filhos me chamam de Mã, eu assino como KT alguns emails e mensagens e outros que não convém agora explicar.
Quando eu ouvia alguém me chamando de Katia, tinha a sensação que não era comigo, mas atendia por costume.
Katia não era um nome para criança. Não consigo imaginar uma criança chamando Katia.
Também não é um nome para adolescente, é demasiado forte para alguém com tão pouca idade.
Hoje vejo diferente.
Katia foi feito para mim.
Hoje acho um nome forte. Um nome de personalidade. Acho sonoro.
O nome da pessoa tem ligação direta com a personalidade dela.
Várias pessoas eu não consigo chamar pelo nome de batismo, por que não se parecem com o nome. Tenho uma aluna que se chama Jéssica eu passei um ano todo chamando-a de Sthefany. Há pessoas que é simplesmente impossível assimilar o nome e para mim acabam tendo outro. E vice e versa. Há pessoas que o nome tem tudo a ver com ela.
Eu me chamo Katia.

Achei um curta que fala mais ou menos sobre a necessidade de se identificar com o nome.



O NÚMERO
Um homem troca de nome até conquistar um, definitivo...
Baseado em conto do livro Babel, de Alberto Lins Caldas. Um
curta-metragem brasileiro premiado em Festivais de Cinema.
Sinopse
Em "O Número" um homem narra a trajetória de sua vida. Ao longo dos anos, seu nome vai constantemente mudando e, com isso, também vão mudando as circunstâncias de sua vida e até os traços de sua personalidade. O filme é baseado em um conto homônimo de Alberto Lins Caldas e tem, como protagonista, o genial Othon Bastos
Gênero Ficção
Diretor Beto Bertagna
Elenco Othon Bastos
Ano 2004
Duração 10 min
Cor Colorido
Bitola 16mm / Vídeo
País Brasil

Ficha Técnica
Produção Beto Bertagna Cinema & Vídeo Fotografia Rodolfo Ancona Lopez Roteiro Alberto Lins Caldas Som Direto Gilmar Santos Direção de Arte Joeser Alvarez Montagem Beto Bertagna Música Augusto Silveira

Prêmios
Melhor Ator no Cine Ceará 2004



Um comentário:

  1. O nome é a primeira razão de existirmos. É através dele que nós somos identificados no mundo e no universo, não escolhemos os nomes, ninguém escolhe (mas isso é segredo) ele é soprado nos ouvidos de nossos pais pelos anjos que nos acompanham desde que somos energia e ele, o nome!, te acompanha mesmo após a morte. É a única coisa que fica quando somos ausência. Quando quiser algo, mas quiser realmente, e com vontade chame pelo nome e reflita no que ele significa, não seu significa apresentado por dicionários, mas sim o significado espiritual e no que aquele conjunto harmônico, com meia dúzia de sílabas, nos remete. Só dei conta da minha verdadeira essência quando abandonei o apelido. E talvez agora esteja pactuando com o divino ao adotar um novo apelido.

    ResponderExcluir